MP-SP promove campanha pela tolerância

Contra todo tipo de preconceito e em prol da tolerância, a cantora trans Deena Love solta a voz para rebater frases maldosas que são postadas nas redes sociais.

O videoclipe dá continuidade aos movimentos empreendidos pelo Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) para conscientizar a todos sobre a importância de se combater o preconceito e reduzir a violência gerada pela intolerância.

Com o conceito “Quem se dá bem com gente se dá bem na vida”, a campanha criada pela agência VML contempla a criação da música, videoclipe e estratégia de ativações nas redes sociais. Os colaboradores da agência, inclusive os criadores da campanha, também participaram como “casting”, formando todo o elenco de atores da produção.

O videoclipe se desenrola sob a perspectiva de quem está navegando pelas redes sociais, e contém na própria letra da música de ritmo pop as respostas para os comentários preconceituosos que aparecem na tela, postados por perfis anônimos, sob pseudônimos. Do Facebook ao Whatsapp, o espectador acompanha a repercussão da canção. A letra da música aparece com os versos sendo postados em forma de comentários de perfis verdadeiros dos colaboradores da VML. O caminho criativo busca representar um comportamento real, já que as caixas de comentários costumam trazer exemplos muitos claros de intolerância, encorajados pelo anonimato e pela sensação de impunidade.

“A nossa aposta permanente é na educação, na consciência coletiva, na crença de que será respeitando as diferenças e as opções pessoais que a intolerância perderá sua força. O que deve encantar é a diferença, ela é que nos torna seres humanos semelhantes”, comenta o Procurador-Geral, Márcio Fernando Elias Rosa.

Nesta ação pro-bono, o filme será veiculado nas plataformas do MP-SP e também nos veículos de mídia parceiros que aderirem à causa. Todos trabalharam na campanha de forma voluntária.

Além do videoclipe, o MP-SP também lança a cartilha “Tolerância”, documento educativo destinado a crianças e jovens que, ao abordar a Declaração Universal dos Direitos Humanos e as leis brasileiras, apresenta as diferentes formas de intolerância – racial, religiosa, política, de gênero, sexual, esportiva, social, etária, nas redes sociais, assim como o bullying, a xenofobia e a discriminação com deficientes – e como elas devem ser combatidas. A cartilha estará no portal do Ministério Público de São Paulo, também disponível nas versões para tablet e celular.

Imagem de Amostra do You Tube