Argentina: Realizado o 1º casamento gay judaico da América Latina

Apesar de a união entre duas pessoas do mesmo sexo ser proibida pela Torá, o Talmude coloca a dignidade como um de seus princípios

As advogadas Vicky Escobar, de 40 anos, e Romina Charur, 35, realizaram, neste domingo (10) em uma sinagoga de Buenos Aires, o primeiro casamento homossexual judaico da América Latina. Elas quebraram um copo com o pé, o que pela tradição judaica, cabe ao homem fazer, ao fim da cerimônia.

De acordo com informações da organização JAG (Judeus Argentinos Gays), apesar de a união entre duas pessoas do mesmo sexo ser proibida pela Torá, o Talmude (outro livro sagrado para os judeus) coloca a dignidade como um de seus princípios e permite uma interpretação a favor do casamento.

Em entrevista à Folha de S. Paulo, uma das noivas, Vicky Escobar, explicou o uso da interpretação do Talmude. “Com base no princípio do livro, a união homossexual é permitida entre os judeus conservadores desde 2006. No entanto, entre os ortodoxos, ela ainda é proibida”, explicou.

Cada sinagoga, porém, tem autonomia para decidir se realizará o casamento. No caso das argentinas, a comunidade foi envolvida em uma discussão de durou dois anos, e a autorização saiu em 21 de março. Houve uma votação entre todos os que frequentam a sinagoga e o resultado foi unânime.