ONU: Países muçulmanos barram grupos LGBT em evento sobre Aids

A Organização para a Cooperação Islâmica, apresentou um pedido à presidência da Assembleia Geral da ONU para barrar a participação de 11 organizações LGBT de uma reunião de alto nível sobre o combate à Aids, que será realizada no mês que vem, sem apresentar qualquer justificativa, noticia a Reuters. O documento foi alvo de protestos dos EUA, Canadá e União Europeia.

Em carta encaminhada ao presidente da Assembleia, Mogens Lykketoft, a embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, Samantha Power, afirmou que os grupos parecem ter sido impedidos de participar do encontro por terem envolvimento com a defesa dos direitos LGBT.

“Dado que as pessoas transgênero têm 49 vezes mais probabilidade de viver com o HIV que a população geral, sua exclusão de uma reunião de alto nível apenas impede o progresso no combate da pandemia de HIV/Aids”, escreveu Samantha.

Segundo funcionários das Nações Unidas, a União Europeia e o Canadá também escreveram a Lykketoft para protestar contra a objeção apresentada pela Organização para a Cooperação Islâmica, que possui 51 estados membro, incluindo países conhecidos pela repressão a gays, lésbicas e transgênero, como Arábia Saudita, Irã, Indonésia, Sudão e Uganda.

“Nós estamos extremamente preocupados que a cada negociação sobre um novo encontro da Assembleia Geral, a questão da participação de ONGs é questionada e analisada”, escreveu Samantha. “O movimento para bloquear a participação de ONGs por motivos espúrios ou ocultos está se tornando epidêmica e prejudica severamente a credibilidade da ONU”.

Questões sobre direitos LGBT e participação de grupos que defendem seus direitos em eventos da ONU têm sido controversas. O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, defende a igualdade, mas enfrenta oposição de estados africanos, árabes e muçulmanos, além da Rússia e China.

Em 2014, Ban Ki-moon determinou que a ONU reconhecesse casamentos homoafetivos no seu quadro de funcionários, dando direitos a benefícios. A Rússia, com apoio de 43 países, incluindo Arábia Saudita, Irã, Índia, Egito, Paquistão e Síria, tentou revogar a medida, mas sem sucesso.

Em fevereiro, o Grupo Africano (com 54 membros), o Grupo de Amigos da Família (com 25 membros) e a Organização para a Cooperação Islâmica, liderados por Bielorrússia, Egito e Catar, protestaram contra seis novos selos da ONU promovendo a igualdade LGBT. Nesta semana, o Grupo de Amigos da Família, que defende a família tradicional, lançou a exibição fotográfica “Unindo Nações para um Mundo Amigo da Família” na sede da ONU na terça-feira, dia Internacional contra a Homofobia.