O padre gay foi afastado do exercício do sacerdócio: “não estou zangado com a igreja. Ter-me assumido foi libertador”

Foi no ano passado que Krzystof Charamsa deixou de esconder que erá gay, e o fez em pleno Vaticano. Não era um padre qualquer. Vivia na Santa Sé desde os 17 anos e foi, a partir de 2003, oficial da congregação para a doutrina da Fé, que cuida de defender os cânones da igreja católica.

Em novembro do ano passado assumiu a homossexualidade dizendo querer que a igreja e a comunidade soubessem quem é: um padre gay, feliz e orgulhoso da sua identidade. E, acrescentou, disposto a pagar as consequências.

A fatura chegou. Krzystof Charamsa foi afastado do exercício do sacerdócio, mas acredita que é hoje melhor padre do que antigamente.

O padre Krzystof Charamsa agora lança em Portugal o livro ” A primeira pedra – Eu, padre gay e a minha revolta contra a hipocrisia da igreja”.