Professor britânico sai do armário na frente de mil alunos

O professor Daniel Gray, de 32 anos, decidiu usar o “Mês da História LGBT”, comemorado durante fevereiro na Grã-Bretanha, para revelar a seus mais de mil alunos que é gay. Em entrevista à “BBC”, o britânico contou que sabia sobre sua orientação desde a época da escola, nos anos 1990, mas nunca havia falado sobre o assunto em sala de aula.

“Sofri bullying todo santo dia. Era chamado de nomes homofóbicos, era seguido por gangues de garotos, empurrado nos corredores”, disse o professor que vive em Brighton e dá aulas em Londres. Ele só passou a se sentir aceito na universidade, onde encontrou outros homossexuais.

Em 2008, no seu primeiro trabalho como assistente de professor, Gray estava tranquilo em relação a sua sexualidade, até ouvir o conselho da professora que o treinava. “Ela foi categórica ao dizer que não revelasse nada aos alunos porque ‘você não quer dar mais munição para os estudantes'”, afirmou ele.

Há dois anos e meio, o britânico começou a trabalhar na Harris Academy, no sul de Londres. “Eu tinha ouvido falar só de uma pessoa que havia se assumido numa escola, um professor e ativista chamado David Weston, mas não segui o exemplo dele.”

Weston foi convidado para participar de um treinamento no colégio em que Daniel leciona. “O treinamento não tinha nada a ver com questões LGBT, mas eu me lembrava dele. Foi instintivo. Era algo que eu sentia que tinha de fazer”, continuou.

Na ocasião, o Mês da História LGBT estava chegando e a escola tinha um novo diretor. “Pensei: ‘essa é a minha chance’. Era isso. Eu ia contar para mais de mil adolescentes que era gay”. Como o professor lecionava em dois lugares diferentes, resolveu fazer um vídeo com a revelação.

“Olhei diretamente para a câmera e disse: ‘Como homossexual, sei o quanto é importante ter modelos positivos'”. Depois, chegou o momento de mostrar o vídeo aos estudantes em duas reuniões de alunos e professores.

Após o evento, muitos colegas apoiaram a atitude de Daniel e chegaram a fazer cartazes sobre os direitos LGBT. A escola onde o professor leciona é parte de uma federação que reúne 41 escolas primárias e secundárias na capital britânica e arredores. Agora, ele dará palestras nos outros colégios sobre como realizar iniciativas parecidas.